Torres à CPI: houve falha na execução do protocolo de ações

A CPI dos atos antidemocráticos ouviu, nesta quinta-feira (10), o delegado da Polícia Federal e ex-secretário de segurança pública do DF Anderson Torres. Ele chegou a ficar 117 dias preso sob suspeita de omissão nos ataques de 8 de janeiro. 

Torres afirmou que os ataques só ocorreram porque não houve o cumprimento do PAI – Protocolo de Ações Integradas, documento que determina um conjunto de ações das forças de segurança, elaborado enquanto ele ainda era secretário. “Por mais violento que fosse, por mais preparados que os manifestantes estivessem, se o PAI tivesse sido cumprido à risca, eu posso afirmar que o dia 8 não teria sido daquela forma”, disse.
 
O delegado negou que tenha sido omisso nas ações, afirmando que suas férias, iniciadas nas vésperas dos ataques, haviam sido programadas dois meses antes. Ele relatou ainda que seu substituto, delegado Fernando de Souza Oliveira, tinha total autonomia para atuar naquela situação. “Se eu soubesse, nem teria viajado” , afirmou. 

Ainda no início, o depoente prestou um esclarecimento em sua defesa, afirmando que “nunca questionou o resultado das eleições”, que “sempre atuou de forma técnica e legalista” e “que nunca determinou que a PRF interferisse nas eleições”. 

ACAMPAMENTOS

Ao ser questionado pelo presidente da CPI, deputado Chico Vigilante (PT), sobre qual teria sido sua atuação com relação aos acampamentos nos quartéis do exército, Torres afirmou que, logo que assumiu o cargo de secretário, determinou que fossem desfeitos, mas apenas a partir do dia 10 de janeiro. 

O depoente negou que tenha sido conivente com os manifestantes acampados, alegando que, enquanto ainda ocupava o cargo de ministro de justiça, não atuou para desmobilizar os grupos porque essa não era atribuição do MJ.

Questionado por Vigilante sobre possível omissão do MJ, Torres alegou interferência do próprio Exército. “O Exército nunca permitiu que se tomasse alguma medida com relação àquelas pessoas enquanto elas estavam ali acampadas”, afirmou.