Por intermédio de Chico Vigilante, superintendência do Ibama fica no Distrito Federal

O deputado Chico Vigilante recebeu, na tarde desta segunda-feira (9), a visita de uma comissão dos funcionários do Ibama, que representam a associação dos servidores do órgão, que estavam indignados com a possibilidade da transferência da Superintendência do Ibama do DF para o Goiás.

De acordo com os servidores, por sua vez, a presidenta do Órgão estava transformando a superintendência em um escritório de representação.  A superintendência do Ibama de Brasília também atende os estados do Goiás e Minas Gerais, com a transferência, as pessoas teriam que se deslocar para Goiás para com consegui liberação de uma licença ambiental.

 

Para Chico, a transferência iria acarretar problemas seriíssimos para a população do DF, para os empreendedores, especialmente a indústria, o comércio que precisa de financiamento, mas também para toda a região geoeconômica.

 

Na semana passada os servidores já haviam denunciado a mudança ao deputado. De imediato, assim que ficou sabendo da transferência, o deputado Chico encaminhou um ofício ao ministro da presidência da República, Ricardo Berzoini, protestando contra a situação feita pela presidenta do Ibama. Além disso, Chico apresentou uma moção de repúdio na Câmara Legislativa contra essa atitude. A moção foi aprovada na última terça-feira (03).

 

Na visita de hoje, os servidores expressaram, mais uma vez, a preocupação do Distrito Federal perder a superintendência do IBAMA. De imediato, o deputado Chico Vigiante ligou imediatamente para o Ministro da Presidência da República, Ricardo Berzoini, para saber o resultado dos ofícios que tinham sido encaminhados.

 

O ministro garantiu ao deputado que a transferência está suspensa. “ Ele até estranhou porque que ela não tinha publicado hoje a portaria anulando ato anterior”, contou Chico.

“Portanto, é muito importante que o DF tenha  Ibama será mantido o Distrito Federal com a superintendência, valendo, assim, a luta empreendida por esses servidores”, finalizou.

Por Veronica Soarez/ Assessoria