Permissionários do Zoológico de Brasília amargam prejuízo

 

O governador Rodrigo Rollemberg tirou o direito ao lazer das pessoas mais necessitadas. A afirmação foi feita pelo deputado Chico Vigilante, durante a reunião com os representantes da Associação dos Permissionários do Jardim Zoológico de Brasília, realizada na manhã desta terça-feira (22).

Durante o encontro, os permissionários relataram que, desde que o governo aumentou o preço do ingresso de R$ 2 para R$ 10, em janeiro deste ano, as vendas caíram em 60%. Os permissionários também temem a perda dos postos de trabalho, uma vez que está em fase de estudo a mudança de gestão do zoológico para a Parceria Público Privada (PPP).

De acordo com o presidente da Associação dos Permissionários, Cícero Amaro Cavalcante, o GDF até garantiu que os permissionários não perderão o espaço para trabalhar, mesmo assim, eles temem não conseguir pagar pela proposta a ser apresentada pela empresa que ganhar a licitação.

“Eles deram essa garantia, mas tememos que a proposta da empresa não caiba em nossos bolsos. Com isso, sairemos automaticamente”, reclama.

“São país e mães de famílias que trabalham no espaço há muitos anos. O mais antigo dos permissionários trabalha no local há 59 anos”, contou Cícero.

Para a vice-presidente da Associação, Aurineide Maria, o GDF exclui as pessoas mais carentes ao aumentar o preço da entrada.

“Antes, uma visita para uma família com cinco pessoas, sairia a R$ 10. Hoje, esta mesma família paga R$ 50. Nem todas pessoas têm condições de pagar esse valor todo para fazer uma visita, sem falar no transporte público que também aumentou”, explicou.

No total, o zoológico de Brasília conta com 35 permissionários, entre eles, pipoqueiros, vendedores de brinquedos e artistas de rua.

 

A administração do zoológico não respondeu aos questionamentos enviados até o fechamento desta reportagem.

Por Verônica Soarez 

Assuntos Relacionados