Metade das negociações coletivas de agosto resultaram em perda salarial

Mais da metade dos acordos de negociação salarial do mês de agosto foram fechados com índices abaixo da inflação, resultando em perda real para os trabalhadores.

 

Foi o que revelou a edição de setembro do boletim ‘Salariômetro’, produzido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), com informações do Ministério do Trabalho.

 

É o segundo mês consecutivo no qual os reajustes salariais ficaram abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

 

Para o deputado Chico Vigilante (PT), esses dados reforçam o objetivo do governo de arrochar a classe trabalhadora brasileira. “Nós estamos vendo o resultado efetivo do golpe parlamentar-midiático traduzido em números”, avalia.

 

Na avaliação do distrital, situação como estas eram raras nos governos do presidente Lula e da presidenta Dilma, nos quais as negociações das categorias eram realizadas com índices acima da inflação. “Porque havia um governo que se posicionava ao lado dos trabalhadores”, disse o parlamentar.

 

De todas as categorias, a indústria metalúrgica contabiliza a maior perda. O ‘Salariômetro’ mostra que 67% das negociações dos metalúrgicos foram realizadas com índices abaixo da inflação.