Em decisão histórica, STF acaba com o financiamento privado de campanha

O Supremo Tribunal Federal colocou fim a uma ação que se arrastava desde 2013. Por 8 votos a 3, a corte decidiu, na tarde desta quinta-feira (17), a proibição de financiamento privado de campanhas eleitorais

Devido a pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, o julgamento, que começou em 2013, foi reiniciado na quarta-feira (16), após ficar um ano e cinco meses parado. O Partido dos Trabalhadores iniciou uma campanha para que ele desobstruir a pauta de votação.

Encabeçado por Eduardo Cunha (PMDB/RJ), na reforma política da Câmara Federal, os deputados decidiram manter o financiamento privado de campanha, mesmo a contragosto da população brasileira, que pediam o fim da prática imoral. Neste contexto, a decisão também pode ser vista como uma grande vitória do povo  contra a corrução, que é começa  nas campanhas eleitorais com financiamento privado por grande sgrupos de empresários.

Ao comemorar a decisão, o deputado Chico Vigilante, líder da Bancada do PT na Câmara Legislativa, comentou sobre o assunto. Para ele:  “o dia 17 de setembro de 2015 vai entrar para a história do Brasil, pois foi o dia em que o Supremo Tribunal Federal decidiu acabar com o financiamento privado de campanhas eleitorais. A decisão é um ato importantíssimo para a moralização da política brasileira, pois o financiamento privado de campanha é a mãe de toda a corrupção política existente no Brasil”, destacou.

Chico Vigilante completou que a decisão só foi tomada pelo STF porque a Câmara dos Deputados não teve coragem de combater a corrupção. “Se continuasse do jeito que estava, cada vez mais, só seriam eleitos grupos políticos representantes dos setores que os financiam”, disse. “Estão de parabéns o relator, os ministros que votaram favorável a lei e a Ordem dos Advogados do Brasil, que entrou com essa ação”, completou.

Fonte: Verônica Soares / Assessoria

Assuntos Relacionados