Criminalizar o PT não vai salvar o Brasil

As eleições municipais de 2016 e as gerais de 2018 farão emergir uma nova classe de “políticos” apolíticos, cuja principal característica é ser, a priori,  antipetista.

Muitos desses novos representantes do povo surgirão resultado da  realidade imposta no Brasil pré e pós impeachment de Dilma Rousseff.

Neste momento o roteiro do golpe incluiu a  pregação da vilanização dos partidos políticos,  principalmente do Partido dos Trabalhadores, e da visão distorcida de que o exercício da política não é um elemento positivo aglutinador da sociedade mas sim um divisor de classes, criador de conflitos e violência.

A direita e seus candidatos tem um discurso muito menos programático e muito mais recheado de pontos considerados por eles como qualidades: antipetismo e antipolítica.

Em artigo recente o colunista da Folha, Bernardo Melo Franco, afirma que em São Paulo foi exatamente o antipetismo que criou Dória e que afora ser contra o PT ninguém sabe muito bem o que ele fará se for eleito, além de privatizar parques, corredores de ônibus e até cemitérios municipais.

Realmente, quem ouve o candidato à prefeitura de São Paulo, João Dória, discursar, vê a imagem perfeita deste novo político, apolítico: não sou político, sou empresário, afirma ele como se o pensamento guardasse um trunfo.

Visto como trampolim para Geraldo Alckmin na trilha do antipetismo para 2018, o  candidato João Dória, deixa claro de que lado está.

Em declaração recente ele a afirmou: Venho para ajudar a consertar, junto com as pessoas de bem, como o governador Geraldo Alckmin, que se Deus quiser, com a nossa força e a nossa vitória, vai ser conduzido, sim, à Presidência da República em 2018”.  Liderada pelo governador Geraldo Alckmin, a candidatura de João Dória. com 13 partidos tem o maior tempo de teve, o que lhe confere grande vantagem.

Não se enganem, entretanto, os desavisados. Alkimin e Dória são golpistas. O governador tucano usou dinheiro em 2014 e 2015 para fazer anúncios em revistas do pré-candidato tucano à Prefeitura de SP.

Como pagamento, Dória organizou uma festa para os tucanos em Nova York, onde falou sobre  impeachment de Dilma. Recentemente  também  convidou o juiz Moro, com todas as despesas pagas,  para dar uma palestra no Lide. Todos caminhando juntos.

A tendência de criminalização da política com  a ascensão de empresários engajados com ideais antidemocráticos ao poder me lembra Silvio Berlusconi na Itália e a famosa Operação Mãos Limpas.

Colocado  entre os investigados desde o início,  saiu ileso e tornou-se primeiro-ministro da Itália três vezes, por um período de 9 anos.

O principal magistrado da operação italiana, Antonio Di Pietro, recentemente reconheceu a Operação Mãos Limpas como prima irmã da Operação Lava Jato no Brasil, em proporção e momento político.

Ele aponta o poder de Silvio Berlusconi – proprietário do império italiano de mídia Mediaset; bancos; empresas de entretenimento; e presidente do AC Milan– como resultado direto da Operação Mãos Limpas.

Sobre o saldo da operação para a Itália o juiz é enfático : “A investigação foi incompleta e o país não mudou. No ano 2000, apenas quatro de todos os acusados estavam cumprindo sentença e 40% dos processos contra parlamentares foram anulados”.

Alguma semelhança com a tentativa recente da Câmara dos Deputados de aprovar um projeto de anistia aos corruptos do Congresso Nacional brasileiro ?

Tudo isso deve servir de alerta para nós hoje. Nem todos que estão sendo colocados contra a parede sairão perdedores.

Nem todos os citados e processados pela Operação Lava Jato serão presos e devolverão o produto de seus roubos aos cofres públicos, como deveria acontecer.

Aquilo que eu imaginava e temia começa a se concretizar no Brasil. A exemplo do que aconteceu na Itália, aqui a Operação Lava Jato contribuirá para acabar efetivamente com os partidos, cassar as lideranças petistas e fazer com que  oportunistas defensores das elites deste país retomem o poder e instalem o retrocesso social, econômico e político.

Se não reagirmos rapidamente, tomando as ruas contra este governo golpista e sua trama de liquidação do patrimônio do país e abolição de direitos trabalhistas históricos, estaremos permitindo a criação de um novo Berlusconi no Brasil.

 

CHICO VIGILANTE

DEP. DISTRITAL PELO PT/DF