Tabelamento já!

É inaceitável e completamente desnecessário o aumento nos preços da gasolina e do diesel para as distribuidoras, anunciado pela Petrobras. Ontem, Brasília já sofria com o preço exorbitante da gasolina, que alcançava a marca de R$ 5,35. Mas hoje, meus amigos, preparem-se para o golpe no bolso! A maioria dos postos da cidade está vendendo a gasolina por R$ 5,89, e pasmem, até R$ 5,99! Sendo que o reajuste da Petrobras foi de R$ 0,41. E não pensem que somos os únicos a sofrer com essa crueldade. Há lugares no Brasil onde o aumento nos postos chega a até R$ 1,00! É um verdadeiro assalto aos nossos bolsos. Como podemos sobreviver nessa selva de preços? Isso revela a urgência e importância de estabelecer um tabelamento dos preços dos combustíveis no Brasil.

A cada novo reajuste da Petrobras, o cartel que opera no país aproveita para explorar ainda mais o consumidor. Um exemplo disso é a declaração do representante dos postos de combustíveis de Ribeirão Preto, que ousou afirmar que o etanol também sofreria um aumento, pois o novo preço do diesel iria “impactar” no transporte da cana-de-açúcar. 

É essencial que a Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública convoque a Polícia Federal para investigar essa prática em todo o país e prender os responsáveis por extorquir a população brasileira. Vale ressaltar que o aumento não deve ser repassado imediatamente ao consumidor, pois o combustível disponível nos postos foi adquirido pelo valor antigo nas distribuidoras. O que esses aproveitadores estão fazendo é um crime contra a economia popular.

O governo precisa ter a coragem de estabelecer um tabelamento dos preços dos combustíveis, assim como é feito com os medicamentos. No caso dos remédios, é o governo quem determina os aumentos. A Agência Nacional de Energia Elétrica também é responsável por ajustar as tarifas energéticas do país. Portanto, o mesmo deve ser feito em relação aos combustíveis. A população brasileira clama por uma solução! Chega! A questão dos combustíveis é o fator mais inflacionário que existe. Portanto, se o governo realmente quer combater a inflação, precisa ter a coragem de estabelecer um limite para a margem de lucro desses picaretas que estão nos explorando.